sábado, 18 de outubro de 2008

Brasília



Em julho de 1963, dois anos e três meses após sua inauguração, Brasília passava a idéia de imensidão e de extrema calma.







Os espaços eram enormes, as avenidas largas e sem cruzamentos. Mas não se percebia vida, nenhuma vida.





Para se ver movimento humano, era necessário ir até a rodoviária ou até a avenida W3, lugar onde estava concentrado o comércio.




Estação Rodoviária




Avenida W3






A arquitetura, lindíssima. Completamente diferente de tudo que se conhecia até então.








A Esplanada dos Ministérios e a Praça dos Três Poderes, bem como o Palácio da Alvorada, provocavam um impacto de beleza.

Nessa ocasião, a Catedral era só um esqueleto, com sua área circular e suas 16 colunas de concreto. Quando voltei a Brasília, anos depois, pude conhecer essa outra obra maravilhosa da arquitetura de Brasília.


Brasília Palace Hotel, o primeiro hotel de Brasília, onde me hospedei em 1963.




Todos os postais acima, são do ano de 1963.


Abaixo, fotos do meu acervo pessoal. Por elas pode-se observar como era calma a Capital Federal. Não havia qualquer aparato de segurança. Podia-se andar tranqüilamente pela parte externa dos Palácios e fazer fotografias.


Palácio do Planalto


Palácio da Alvorada

Acho muito curiosa essa foto que tirei pegando um lado dos prédios dos Ministérios e do Senado, aparecendo, também, um estacionamento de automóveis.


"Os Guerreiros", monumento de homenagem aos operários que trabalharam na construção de Brasília (candangos). Pena que o fotógrafo, da ocasião, cortou as cabeças dos guerreiros.


7 comentários:

Nina disse...

Que delícia suas viagens!
Deixo-lhe um poema de Fernando Pessoa:

"Viajar! Perder países!
Ser outro constantemente,
Por a alma não ter raízes
De viver de ver somente!
Não pertencer nem a mim!
Ir em frente, ir a seguir
A ausência de ter um fim,
E a ânsia de o conseguir!

Viajar assim é viagem.
Mas faço-o sem ter de meu
Mais que o sonho da passagem.
O resto é só terra e céu."

beijo!

http://meninadecachos.blogspot.com/

Heloísa disse...

Nina,
Que lindo!
Pelo visto Fernando Pessoa é seu poeta preferido, não?
Beijos

Nina disse...

Oi, Heloisa!

Eu adoro poesia, é até difícil falar sobre meus poetas preferidos...

Com certeza Fernando Pessoa está entre eles, não só pela beleza da sua obra, mas também porque me identifico muito com muitos de seus poemas.

Mas também adoro Manoel de Barros, Cecilia Meireles, Carlos Drummond de Andrade, Vinicius de Moraes, Cora Coralina...

E também W.B. Yeats, e.e. cummings, Elizabeth Bishop, Rimbaud...

Nossa! São tantos!

beijos!

Heloísa disse...

Nina,
Agora está explicada a sensibilidade e delicadeza dos seus posts.
Beijos

Marcelo Almirante disse...

Olá,

Muito boa a foto da Rodoviária de Brasília em 1963. Rara por sinal. Por acaso haveria a possibilidade de envio em melhor resolução, para o seguinte e mail ?

row701@yahoo.com.br

Tenho uma página sobre a Memória do Transporte Público e um blog com fotos antigas do DF

http://br.geocities.com/row701/capa.htm
http://dftrans.blogspot.com/

Cookies com leite disse...

Boa noite Heloisa,
foi com grande alegria que encontrei no seu blog um postal do Brasilia Palace Hotel. Estou desenvolvendo um trabalho academico sobre esse edificio, que existiu antes mesmo de um projeto urbanistico para Brasilia. Estou coletando depoimentos sobre pessoas que estiveram no hotel, antes do incendio que o destruiu, qualquer informaçao, impressao,fato ou foto seria de grande importancia para documentar esse icone da cidade. Desde já agradeço.

Rogério Rezende
rogeriocgrezende@gmail.com

Jaime disse...

Heloísa,
parabéns pelas belas fotos antigas da saudosa Brasília dos idos de 1963!
Só achei um defeito: não tem uma centena delas!
Poderia, por acaso, enviar ao meu email pelo menos estas que aí estão?

Obrigado.
Antônio Jaime
ajaime.nunes@gmail.com