terça-feira, 10 de agosto de 2010

Wellington, capital azul




Cheguei à Nova Zelândia no dia 07/04/2010, por Auckland, como contei aqui, mas logo segui para Wellington, por onde iniciei meus passeios pelos lugares tão distantes e, até então, desconhecidos.
Quando penso em Wellington logo lembro da cor azul e do vento.
Azul porque é uma cidade com muitas baías lindas, de um azul fantástico. Toda hora me deparava com um mar lindíssimo, o que fazia com que enxergasse a cor azul a cada momento e ficasse com a impressão de que estava totalmente rodeada por azul.

No meu blog de variedades, o "Blog da vovó ...mas não só", escrevi sobre Wellington chamando-a de capital especial, e mostrando minha caminhada azul.
E ao pensar em Wellington também lembro de vento porque a cidade tem um vento constante, e cortante. Às vezes mais forte, e outras mais ameno. Mas o vento sempre está presente, o que acaba dando uma sensação de muito frio (pelo menos na estação do outono, quando lá estive, e acredito que no inverno).
Não gosto de vento, mas a beleza do azul local é tão grande, que ameniza o incômodo que ele possa causar.




























Wellington tem muitas elevações e colinas, e muitas casas construídas nas encostas.


As casas, na sua maioria, são de madeira, o que representa uma maior segurança, visto que a região é altamente sujeita a terremotos.












Quase sempre caminhávamos um pouco na parte da manhã, e passávamos por todas essas casas retratadas acima.
E aqui estamos nós preparados para a caminhada, com nossas roupas próprias (icebreaker e windbreaker).


O Berto caminhando ....


e eu fotografando:





Abaixo, um cinema de bairro. Além do cinema, cada bairro tem um pequeno comércio, biblioteca, centro de saúde.



O centro comercial de Wellington é simpático e tranquilo.






Parece que os "kiwis" gostam bastante da cor preta. É quase que um uniforme para o trabalho.
Essa rua é a "Lambton Quai", principal rua de comércio de Wellington.



E, aqui, fachada da "Corte Suprema", prédio recém inaugurado, construído com toneladas de bronze.





Adorei essa vitrine de uma peixaria.



Visitamos uma feira, que funciona aos domingos, ao lado do Museu Te Papa.








Abaixo, algumas cenas interiores do maravilhoso Museu Te Papa.


O Museu Te Papa Tongarewa ("nosso lugar") é fantástico. Proporciona muitas experiências interativas, conta a história da cultura maori e abriga coleções de arte.
Dessa vez só deu para conhecer uma parte do museu, mas mantenho a esperança de lá voltar.


Nessa casa é feita uma simulação de terremoto.


Estivemos no Monte Rainha Vitória, que permite uma visão completa de Wellington.



Em outro passeio, subimos pelo Cable Car até seu ponto final (que tem entrada para o Jardim Botânico).

E, de lá, tiramos fotos lindas.










Passeamos pelo porto.



No porto, uma ponte decorada com grandes entalhes de madeira.



São muitas, e lindas, as lembranças que ficaram de Wellington.
Do avião, tirei essas fotos que mostram, mais uma vez, a beleza do azul. Na última foto, a separação entre o mar e o céu.




Curiosidade: A Nova Zelândia tem produzido muitos filmes em escala internacional e a maior parte dos estúdios encontra-se em Wellington, que é a cidade natal do diretor Peter Jackson. Por esse motivo, a cidade passou a ser conhecida como "Welliwood".
Foram filmados na Nova Zelândia, entre outros, os filmes "O Piano" e "Senhor dos Anéis".

(Clique nas fotos para vê-las aumentadas).