terça-feira, 24 de março de 2009

Outono no Canadá


Entramos no outono há poucos dias, e todos os anos, nessa época, lembro do Canadá. Foi lá que vi as paisagens outonais mais lindas. Árvores com diversas tonalidades de folhas, árvores com folhas douradas, árvores ainda com folhas verdes e outras amarelas, árvores com folhas marrons. É uma profusão de cores fantástica. Ruas totalmente atapetadas por folhas e secas e douradas. Um deslumbramento.

Estive lá com minha filha há alguns anos, final de outubro de 1996. Foi uma viagem maravilhosa e com muitos acontecimentos curiosos, sendo que alguns nos fizeram rir muito. Houve um falso alarme de incêndio no hotel em Montreal, e tivemos que descer do 15° andar, pelas escadas. Houve, também, a história de um despertador misterioso que nos acordava diariamente às 6:30 da manhã, até descobrirmos que ele havia sido colocado por um "brincalhão" na nossa mala de viagem.

O roteiro completo dessa viagem também incluiu algumas cidades dos Estados Unidos, que ficam para outro post.

Viajamos somente pelo leste do Canadá, iniciando a viagem por Québec , a cidade mais francesa do Canadá, sendo que a imensa maioria dos seus habitantes fala francês.

É uma cidade linda e alegre, e a única cidade murada da América e foi tombada pela UNESCO, como Patrimônio Mundial

A “cidade velha” , com suas casas antigas e pitorescas, tem bem no alto um “castelo”, o Château Frontenac, com fachada muito linda, e onde funciona um hotel estreladíssimo.


Andamos bastante pela cidade e, entre os lugares visitados, além do Château Frontenac e seus arredores,o “Parc dês Champs de Bataille “ (Battlefields), parque imenso e lindo, a Plâce Royale e o Parlamento, que tem na sua fachada 22 estátuas de bronze de figuras históricas de Québec.




De Québec fomos a Montreal, situada numa ilha no Rio São Lourenço, próxima à confluência com o Rio Otawa. No centro da cidade, no Parque Mont-Royal, fica o Monte Real, circundado por várias outras elevações. Como Québec, o idioma materno de Montreal também é o francês.

Uma das suas curiosidades é a cidade subterrânea. Os grandes edifícios da parte central possuem vários andares abaixo do solo, o que permite que a maioria das atividades do dia-a-dia sejam realizadas sem necessidade de se pisar nas ruas ao ar livre.

Visitamos o Complexo Olímpico, que tem a maior torre inclinada do mundo (170 metros de altura), a Chinatown, o Parque Mont-Royal.





Depois foi a vez de Toronto, cidade moderna e dinâmica, que se localiza na margem norte do Lago Ontário. Seu idioma predominante é o inglês.

 Sua atração mais conhecida é a CN Tower que até pouco tempo era a estrutura mais alta do mundo, 553,33 m.


E Otawa, Capital do Canadá. Aqui, seu imponente Parlamento.

Otawa


No final, as Cataratas do Niágara, que ficam entre os lagos Erie e Ontário, na fronteira entre o Canadá e os Estados Unidos. Não sou a única a dizer que as nossas Cataratas da Foz do Iguaçu são muito mais bonitas do que as do Niágara. 

Mas também não sou a única a reconhecer que a infraestrutura do Niágara é extraordinária. Há vários mirantes, chega-se bem perto das quedas, e os turistas já são esperados com impermeáveis para poderem se proteger (pagando, é claro). No entorno, há jardins lindos .

 

Estive há muitos anos em Foz do Iguaçu, e não sei dizer como está sua infraestrutura atualmente. 

Conheci o Canadá no outono, mas acho que o país deve ser lindo em qualquer estação.

Tirei as fotos das cataratas daqui

O crédito da foto de abertura é para Brigitte Poussait (Québec).

Minhas fotos foram tiradas em máquina analógica. Na época acho que ainda não havia as digitais.