segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Copenhagen






Copenhagen, capital da Dinamarca, marcou o início do meu cruzeiro pelo Mar Báltico, iniciado em 19 de agosto de 2012.
Viajamos para lá uns dias antes, e assim pudemos conhecer um pouco dessa cidade tão atraente, que parece ser a mais visitada dos países nórdicos, e é a que tem o maior aeroporto da região.
É uma cidade linda e agradável.









Ficamos hospedados no Hotel Admiral, enorme e bem localizado. O prédio era um antigo armazém, do século XVIII, e tem duas frentes: a que dá para a avenida ToldbodGade, que é sua entrada principal, por onde se dá a movimentação dos hóspedes, e a que dá para o mar, com uma vista muito linda.

                               Frente do Admiral Hotel, com a entrada principal.


                             Parte de trás do Admiral Hotel, em avenida só para pedestres e na frente do mar.


Foto da Web


Na entrada do hotel pela parte de trás (canal) há um bar-restaurante bem agradável, o Salt, onde se pode passar horas agradáveis vendo o desfile das pessoas e os veleiros ali ancorados.

Cadeiras com cobertores para serem usados em caso de frio.

Passeio para o qual o Restaurante Salt faz frente.



Entrada traseira do Hotel.



                    Uma limonada orgânica e um café creme, num lugar muito agradável.


A cidade é plana, com pequenos desníveis, e isso, juntamente com o incentivo governamental, explica sua quantidade imensa de ciclistas. Quase 40% dos habitantes da cidade utilizam bicicletas.


                Estacionamentos para bicicletas em todos os pontos, inclusive no aeroporto.



A Casa de Ópera (Operaen)  de Copenhagen é considerada uma das mais modernas do mundo.


Grande atração em Copenhagen é o Palácio de Amalienborg, residência oficial da família real,  constituído por quatro edifícios simétricos, em torno de uma praça que tem, ao centro, a Estátua Equestre do rei Frederik V. Num deles reside a rainha Margrethe e o príncipe consorte Henrik.



Na entrada do palácio aberto à visitação acha-se essa foto da nobreza europeia. Imagino que tenha sido tirada no casamento do príncipe herdeiro da Dinamarca Frederik, com a ora princesa Mary, em 2004.

Abaixo, vários aspectos da praça real. Quando a rainha se encontra em Copenhagen, ela reside num desses palácios.





Os palácios, a estátua, a Igreja de Mármore e a Casa de Ópera formam um conjunto imponente e muito bonito.


À pequena distância de Amalienborg, de um lado fica a Igreja de Mármore (Igreja Frederick) e, do outro, uma fonte e a Casa de Ópera.


Esses dois postais dão uma ideia do conjunto, visto, o primeiro, da Casa de Ópera e o segundo, da Igreja.



Acima, a Igreja de Mármore, com a cúpula semelhante à Catedral de São Pedro, em Roma.
Abaixo, fotos do seu interior, quase que inteiramente de mármore.




Abaixo, a fonte, vendo-se bem atrás, a Igreja de Mármore. Na minha frente, do outro lado do canal, acha-se a Casa de Ópera.


                                                              Casa de Ópera




Amalienborg, com a Estátua equestre do rei Frederik V e, ao fundo, a Igreja de Mármore.


Às 12 horas dá-se, na praça, a troca cerimonial da guarda do palácio. A praça fica repleta de turistas aguardando a cerimônia.







Assisti num dia de muito sol e calor, imaginando o estoicismo dos guardas inteiramente cobertos pela farda e chapéu.



Um dos passeios mais atraentes de Copenhagen é o do canal Nyhavn e que, para nossa sorte, ficava bem próximo do hotel. De um lado o Nyhavn é ladeado por casas coloridas e, do outro, por casas transformadas em bares e restaurantes, com mesas em toda a extensão da calçada.



O lugar é movimentadíssimo e muito alegre. Foi nosso primeiro passeio, no final da tarde da chegada, e aproveitamos para jantar.





No Nyhavn acham-se permanentemente ancorados muitos veleiros grandes, pertencentes à coleção do Museu Nacional e, no topo do canal, foi colocada uma grande âncora em memória dos soldados dinamarqueses mortos durante a 2ª guerra mundial.



Do Nyhavn saem diversas embarcações para passeios pelas águas da cidade. São barcos grandes e cheios de turistas. Por falta de tempo, deixamos de fazer o passeio.
Para termos uma ideia geral da cidade, pegamos um ônibus de turismo"sobe e desce". Não sou muito amiga desses ônibus porque acho que nem sempre eles estão nos pontos, no horário certo. Mas podem ser úteis quando se tem pouco tempo.



E foi num desses ônibus que passamos pelo Palácio Rosemborg e pelo Parque Tívoli.

                                     Essas duas fotos foram conseguidas na web.



Estivemos também no Parque de Langelinie, onde visitamos a Igreja de Saint Albans e a Fonte de Gefion.
Cena comum em dias de sol

                                    Moças a caráter, ao lado da Fonte de Gefion.


Passamos algum tempo andando pela Stroget, a mais longa rua de pedestres da Europa, área comercial onde se encontram as grandes loja de marcas. Na verdade, a rua Stroget tem cinco nomes diferentes. 


Na Stroget, a loja da Porcelana Royal, num prédio lindo e bem antigo. Por uma entrada lateral chega-se a um restaurante/confeitaria, com algumas mesas externas e um salão interno bem sofisticado. 





                                  Vitrine ao lado das mesinhas externas da cafeteria.


                              O dia estava quente e optamos por uma salada, deliciosa.

                             No final, um café numa legítima xícara de porcelana Royal.


                                                 Salão interno da cafeteria Royal.


Quase na frente da Porcelana Royal, a Fonte das Cegonhas, na Praça Amagertorv.




Já no navio, aguardando a partida, fotografei aerogeradores, dispositivos que aproveitam a energia eólica (do vento) convertendo-a em energia elétrica. Na Dinamarca, encontra-se um dos maiores parques eólicos marítimos do mundo, e 23% da energia consumida no país é obtida dessa forma.

E aqui, na varanda da nossa cabine, pronta para iniciar o esperado cruzeiro pelo Mar Báltico.


A moeda da Dinamarca é a "coroa" (DKK). Quando lá estivemos 1 real estava valendo, praticamente, 3 DKK.




7 comentários:

Renata Boechat disse...

Helô, vim conhecer seu outro blog, e já me apaixonei!

Parabéns pelas fotos tão lindas e os relatos tão completos,

Deu vontade de conhecer a Dinamarca, fiquei daqui só imaginando, deixando a mente viajar,

Que bom, obrigada!

✿ chica disse...

Heloísa, dá pra ficar um tempão aqui admirando cada detalhe ,construções, trajes, comidas, tudo tão bem registrado!

Lindo e que bom que vivenciaste tudo o vivo ,não? beijos,lindo dia! chica

Helô disse...

Helô, ainda bem que você mencionou este blog no Blog da vovó. Virei mais vezes. Um abraço.

Tchu1 disse...

Tia, sua fotos sao maravilhosas e a aula de historia tambem. gamei demais... parabens!!!! obrigada por partilhar essa viagem tao linda!!!

Marly disse...

Helô,

Realmente, dá para fazer deste post um pequeno guia, para uma viagem à Dinamarca, rsrs. Muita informação interessante e muita beleza também.

Beijo e obrigada pelo convite!

Tania Ziert Baião disse...

Estou chegando aqui por indicação da Adriana Silveira Pessoa, o que já é uma coisa muito boa e tacada certa.Adorei. Fiquei viajando horas nas suas fotos. Parabéns.
Abraços,
Tânia

Katia Bonfadini disse...

Helô, Copenhague é tão liiinda, né? Amei suas fotos e relato!!!! Adoro as casinhas coloridas e adorei a culinária local! Vou ver se ano que vem consigo resgatar as fotos dessa viagem, me inspirar em vc e escrever sobre os 2 dias que passamos lá! Adoro a sua energia e disposição!!!! Desejo ótimas viagens pra vc hoje se sempte! Beijão!