domingo, 28 de março de 2010

Avignon


A partir de Aix-en-Provence nossos passeios foram de carro. Um Toron, da Volkswagen, carro bom e econômico. Paramos inicialmente em Arles e, em seguida, em Avignon.

De Arles até Avignon usamos estradas secundárias, todas muito bonitas (embora com pouca sinalização). Em alguns trechos passávamos por um verdadeiro túnel de plátanos. Plátanos altos, cujos ramos se uniam na parte superior.

Avignon foi sede do papado, da Igreja Católica, durante 68 anos, a partir de 1309. Sua parte histórica é cercada por muralhas, construídas durante a época em que os papas lá viveram. Nessa parte murada existem as ruas estreitas, com as construções históricas, mas existem, também, avenidas largas.



Quando chegamos na cidade para visitar o Palácio dos Papas, fomos surpreendidos pelo vento Mistral, famoso na região. Em instantes a temperatura teve uma queda acentuada.

O Palácio dos Papas é um enorme edifício gótico, que foi construído em pouco mais de 20 anos e tem paredes muito espessas. Fica numa praça grande e movimentada, formando, com a Catedral, um conjunto imponente.







O ingresso para a visita do Palácio custou 8,50 euros, sem qualquer desconto para idosos. Como já comentei em outras ocasiões, na França não há privilégio para os mais velhos, nem com relação aos preços, nem quanto às filas. No transporte público há alguns bancos reservados, e só. Tive a impressão de que não existe legislação específica, como no Brasil. Eventual desconto, por motivo de idade, parece ser facultativo. Digo isso porque, durante nossa viagem, houve duas ocasiões em que pagamos meia entrada: numa exposição em Aix-en-Provence e no passeio do "bateau mouche” em Paris.

Voltando ao Palácio : apesar de toda sua imponência, não me provocou qualquer emoção maior, ou interesse.

É um monumento imenso. Só isso. Tem salas e mais salas, escadas e mais escadas. E se encontra totalmente vazio. Não tem qualquer tipo de móvel. Até a Capela, e o Consistório, são espaços enormes e vazios, onde só se tem, para apreciar, as paredes espessas de pedras.






Em Avignon, além da visita ao Palácio dos Papas, andamos um pouco por suas vielas e avenidas.






Vimos o "Hotel de Ville", o Teatro, a rua dos Tintureiros, com sua antiquíssima "roda d'água".






Vimos. ainda, o alegre carrossel, presença constante nas cidades maiores da França, e que acabou ficando como uma boa lembrança de Avignon.



4 comentários:

Carol disse...

Que lugar MA-RA-VI-LHO-SO...
Estou encantada.
bjs

Ana Tereza Merger disse...

Oi Heloisa,
Estava visitando o seu blog e me perguntando ao mesmo tempo se permite que publique alguns dos seus otimos textos sobre a Provence no meu "Persa", com os devidos créditos evidentemente. O que acha? Beijos!

Regina disse...

Olá
Pretendo passar 7 dias na provence com minha filha. Vamos de Paris para Avignon de TGV e depois alugaremos um carro. Gostaria de te perguntar se vc acha que Avignon e Aix são cidades que poderíamos escolher como bases para dormirmos? Vc escolheria Arles ou Avignon?
beijos
Regina

Heloísa disse...

Regina,
Entre Avignon e Aix, ficaria em Aix, sem dúvida.
Entre Arles e Avignon, é indiferente. Como base, talvez seja melhor ficar em Avignon, que permite visitas a muitos lugarejos.
Bjs.