quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Rio de Janeiro








Corcovado e Praia de Copacabana, na década de 50.



Com quase 16 anos, conheci a Cidade Maravilhosa. Fui com meus pais para os festejos da "entrega da espada de oficial do Exército" para meu irmão mais velho, na Academia Militar de Rezende. Ficamos hospedados na própria Academia, nos alojamentos dos estudantes (ou seria dos aspirantes a oficial do Exército?) e, de lá, fomos para o Rio, onde seria realizado o baile. Nessa época eu não tinha vestido de baile e minha mãe fez todo um roteiro para conseguir um para mim. Telefonou para sua cunhada que morava em São Paulo, nossa querida tia Jaryna, sempre disposta a ajudar, e ela entrou em contato com uma tia de minha mãe (Mariazinha, casada com Antonio Bulle), que tinha cinco filhas moças. Tia Mariazinha colocou uns três vestidos longos em uma caixa grande, e a Jaryna foi encontrar conosco na agência de onde sairíamos para o Rio, levando a encomenda da minha mãe. Havíamos saído de Santos, para uma baldeação em São Paulo e, assim, os vestidos, e alguns adereços, seguiram viagem conosco. Chegou o dia do baile, e eu não fui. Meu pai não permitiu. Como filha mais velha, eu tive o privilégio de ir para o Rio de Janeiro, e talvez algum outro, mas em contrapartida sempre enfrentei enormes dificuldades para poder participar de ingênuos programas sociais. Isso não aconteceu com tanta intensidade com minhas irmãs menores. Acho que fui abrindo caminho para que elas pudessem participar de bailinhos e passeios com amigas.

A viagem para o Rio de Janeiro, em agosto de 1953, que incluiu visitas familiares, foi rápida, mas suficiente para que eu pudesse perceber, desde então, as maravilhas da cidade.

2 comentários:

Anônimo disse...

Heloísa, não conhecia este seu blog! Interessante! Você está virando profissional neste terreno, hein?

Gina disse...

Heloísa, não tinha visto esse post.
Sabia que meu marido formou-se lá? Conheço bem a Aman, fui a bailes, olímpiadas acadêmicas, espadim, formatura. Depois morei lá e foi onde minha filha nasceu, no hospital da Academia.
Mais uma fato em comum.
Bjs.