sábado, 18 de julho de 2009

Dourados






Outra cidade de Mato Grosso do Sul, que tive oportunidade de conhecer, foi Dourados. Para lá, fui a trabalho. Fui convidada para cobrir um período de férias de um colega e aceitei, sem pensar muito.

Quando cheguei em casa e peguei o mapa do Brasil, para localizar a cidade, levei um susto: além de estar indo para muito longe de casa (1036 km), a cidade me parecia estar muito isolada. É a característica do Estado, muitos campos, muitas áreas rurais, distâncias grandes entre as cidades. Mas fui. E gostei tanto, que aceitei voltar novamente para mais um período de um mês. Tive a chance de ter contato com outra parte do Brasil, participar de reuniões com representantes dos indígenas (de uma reserva próxima), e de ir até a fronteira do Brasil com o Paraguai. Do nosso lado, Ponta Porã, do outro, Pedro Juan Caballero. E, de passagem, ainda conheci Campo Grande, Capital do Estado de Mato Grosso do Sul, cidade imponente e ultra-progressista. 

Dourados fica a 224 km de Campo Grande, e próxima ao Paraguai (mais ou menos 120 km). Tem uma reserva indígena bem perto do seu perímetro urbano.

Foi fundada em 1935 e teve grande crescimento a partir de 1950. É muito desenvolvida tanto na agricultura, como na pecuária. Possui duas Universidades Públicas, uma federal e uma estadual, além de outros cursos universitários particulares. O comércio é bom, suas ruas e avenidas são largas e tem bairros residenciais muito simpáticos, com calçadas ajardinadas que lhe dão um encanto particular. Estive lá no ano de 1998, em duas ocasiões diversas, e acredito que nesses últimos anos tenha continuado seu progresso que, então, já era bem acelerado.


De São Paulo até Campo Grande fui de avião. Mas de Campo Grande até Dourados, fui nesse aviãozinho.


Aqui eu trabalhava.


Aqui eu me exercitava caminhando. Os telefones públicos tinham esse tipo de desenho, sempre representando animais do Estado.

Acima, edifício público em Dourados. Abaixo, vista de Campo Grande, capital do Estado de Mato Grosso do Sul. Foto daqui.


Abaixo, avenida que marca o limite entre o Brasil e o Paraguai. De um lado, Ponta Porã, do outro Pedro Juan Caballero. Foto daqui.


4 comentários:

Gina disse...

Helô, esse espírito meio aventureiro nos enriquece muito. Como é interessante conhecer lugares novos!
O Brasil é tão grande e tem lugares tão pouco divulgados, que estamos sempre nos surpreendendo com as descobertas.
Uma coisa que acho interessante no país é essa ideia de fazer orelhões com figuras de animais, coco, berimbau. Tenho várias fotos desse tipo.
Bjs.

Cláudia M. disse...

O Brasil é mesmo um mundo! Portugal, de uma ponta à outra, tem pouco mais de 700km... podemos percorrer essa distância num só dia! E mesmo assim, ainda há algumas cidades que eu não conheço. Essa cidade parece ser bem agradável, adorei o telefone.

Eu não sei é se tinha coragem de entrar no aviãozinho... já nos maiores, sabe Deus...

bjs

Silvana Nunes .'. disse...

Aqui onde moro - em Petrópolis - é muito comum as cerejeiras. O palácio do Quitandinha é rodeado por elesa. Fica bem assim como está na foto. Lindas.
Saudações Florestais !

Lúcia Soares disse...

Lindas fotos, Heloísa.
Acho que uma postagem com fotos nossas é mais valiosa. É o nosso olhar sobre o local.
Não dá pra falar de cada cidade, esmiuçar os valores de cada Estado.
Só faço uma "panorâmica", senão seria muito extenso cada post, e cansativo.
Adorei conhecer mais um pouco do Brasil, através dos seus olhos.
Beijo!